A história e as estórias de um Renault 5 GTE…

A minha história com o meu Renault 5 GTE começou em 2001, tinha os meus 14 anos. Quando o vi, pela primeira vez, na minha rua, pensava que era um GT Turbo, por ser muito idêntico. Mas como, nas faixas, estava escrito GTE e não tinha o manómetro do Turbo, fiquei um pouco confuso. Que modelo seria aquele afinal?

O tempo passou e cheguei a ver outro Renault 5 GTE de um conhecido que vinha de viagem da Suiça. Uma boa oportunidade de conhecer melhor o modelo que até parecia ser porreiro! Onze anos mais tarde, um amigo do meu pai perguntou-me se queria comprar um Renault 5 GT… Curioso fui ver o carro e surpresa das surpresas… Era precisamente o primeiro GTE que tinha visto quando tinha 14 anos!

Claro que não resisti e fiz o negócio, apesar do restauro ter durado praticamente dois anos. Mas não tinha mesmo alternativa. Também se tratava de um Renault 5 GTE, por coincidência, do mesmo ano em que nasci (1987) e vermelho como tanto gostava de ter. Um carro muito raro em Portugal.

As primeiras viagens ao volante do Renault 5 GTE começaram no final de 2014, mas só, em 2016, com as primeiras Road Trips por Portugal, é que fui conhecendo melhor o carro. 

Um dia ganhei coragem para ir até Barcelona de férias. Durante a estadia o carro foi rebocado por incumprimento do prazo de estacionamento. 

Mas depois de recuperado, fiz as malas e arranquei até à famosa pista Nurburgring, onde tive oportunidade de o conduzir. 

Nesse momento e durante a viagem de regresso a Portugal, a minha ligação com o Renault 5 GTE tornou-se ainda mais forte. E quando cheguei, confesso que não descansei enquanto não contei a todos aquela que foi a minha primeira grande aventura…

 No ano seguinte, de novo pela Europa, tive a sorte de encontrar um amigo “Petrolhead” que também estava a viajar. Foi uma aventura entre museus e estradas que faziam as nossas delicias. Mas a parte mais engraçada foi, na Suiça, ter ajudado uma rapariga que nos pediu boleia a chegar ao seu destino. 

Este carro tornou-se basicamente uma inspiração para mim. Não só pelo facto de termos a mesma idade e de ser o carro dos meus sonhos de infância, mas também pelas inúmeras experiências que já me proporcionou ao volante.